VIÉS POLÍTICO OU TÉCNICA? MOTIVO DA INDICAÇÃO DE LUCENA POR LINDOSO AINDA GERA DÚVIDAS

Politização da PM no estado de São Paulo cresceu nos últimos anos

Por Kaique Bertuletti 24/09/2020 - 11:20 hs
Foto: Divulgação
VIÉS POLÍTICO OU TÉCNICA? MOTIVO DA INDICAÇÃO DE LUCENA POR LINDOSO AINDA GERA DÚVIDAS
Dr. Lindoso fala na coletiva de imprensa ao lado do coronel PM Lucena e de Loraine Lindoso

 

O número de PMs candidatos às eleições municipais no estado de São Paulo aumentou 62% em comparação com o pleito de 2016. Os números são da reportagem do site UOL, que apurou a relação dos nomes no Diário Oficial do Estado das edições de 3 de abril e dos dias 13 e 15 de agosto, e ainda revelam que em 2020 foram desligados de suas funções 336 policiais militares que estão em busca da candidatura.

A politização da PM vem dois anos após a eleição do Presidente Jair Bolsonaro como chefe do executivo. O levantamento do tribunal de contas da união (TCU) identificou 6.157 militares da ativa e da reserva em cargos civis no governo do presidente. Em evidência, os militares estão frequentemente na pauta das grandes mídias e do público, sejam para falar sobre propostas, debater, indicar ações e até argumentar sobre quais rumos o país deve seguir.

Coincidência ou não, uma das chapas para prefeito de Osasco também decidiu trazer um militar para a campanha. O pré-candidato a prefeito pelo  Republicanos, Dr. Lindoso, que em 2018 apoiou a união Bolsodoria, escolheu o coronel da reserva PM Lucena como seu vice-prefeito. A indicação de Lindoso veio atribuída às altas taxas de violência em Osasco, mesmo os números da Secretaria de Segurança Pública do Estado de São Paulo mostrar que no 1º semestre de 2020 Osasco reduziu onze indicadores de criminalidade, dentre eles o de estupro, roubo e furto.

Em coletiva de imprensa na terça-feira (22), Dr. Lindoso reiterou que sua indicação é técnica. “Nós somos contra a velha política. É o seguinte, aqui não tem barganha, não tem troca. Nós queremos técnicos, queremos pessoas que entendam para resolver o problema. Foi baseado nisso que foi feita a escolha. Nós queremos pessoas boas, pessoas capacitadas. Se acha que quem é mais capacitado que um coronel da Polícia Militar, com 52 anos de Osasco e coronel da reserva, que enfrentou tudo quanto é tipo de situação durante sua vida de trabalho para poder ajudar na segurança pública de Osasco. Tem alguém melhor?”.

Lindoso ainda contestou os números da criminalidade, argumentado que as estatísticas da Secretaria de Segurança Pública do Estado de São Paulo não retratam a realidade. “Mas muitas pessoas são furtadas, muitas pessoas que são assaltadas, essas pessoas acabam não indo fazer o B.O. Por exemplo, até pacientes meus que tiveram os carros furtados e foram assaltados, eles mesmos voltavam na clínica e falavam. - Olha doutor roubaram meu carro.  - Olha o cara meteu o revólver no meu rosto.  Eu falei . – Po!  vai lá e faz o B.O. E eles respondem. - Pra que que eu vou fazer o B.O. Isso vai adiantar alguma coisa? não vai adiantar”. Concluiu ele, ressaltando a fala de seus pacientes.

Fato é que os próximos meses que antecedem a eleição, mostrarão realmente se a indicação foi por viés político ou por questões técnicas.